Seja Dizimista!

Seja Dizimista!

quarta-feira, 30 de março de 2011

VISITA PASTORAL


Neste Domingo 03/04, receberemos a visita do Vigário Geral de nossa Diocese Padre Flávio Augusto. Padre Flávio vem nos proferir algumas palavras e esclarecimentos sobre a visita Pastoral que acontecerá em nossa paróquia em Setembro do corrente ano.

Padre Francisco convida a todos os paroquianos para participarem desta conversa com Padre Flávio, que na oportunidade esclarecerá algumas dúvidas e explicará como devemos proceder para organizar a nossa paróquia (Igreja Matriz e Capelas) para a visita pastoral.

Contamos com todos :
TERÇO DOS HOMENS
CASAIS PAROQUIANOS
RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA - RCC
MOVIMENTO DE MÃE RAINHA
MINISTROS DA EUCARISTIA
APOSTOLADO DA ORAÇÃO
VICENTINOS
PASTORAL DA CRIANÇA
PASTRAL FAMILIAR
GRUPO DE JOVENS
PASTORAL DA ACOLHIDA
LITURGIA
ANIMADORES DE CAPELAS (URBANA/RURAL)
ETC...
DOMINGO - (03/04)

* 8hs - Missa na Igreja Matriz
* 9hs - Reunião com Padre Flávio (Vigário Geral da Diocese de Mossoró) 
São João Clímaco
30 de Março

Nasceu na Palestina em 579, dentro de uma família cristã que passou para ele muitos valores, possibilitando a ele uma ótima formação literária.

Clímaco desde cedo foi discernindo sua vocação à vida religiosa. Diante do testemunho de muitos cristãos que optavam por ir ao Monte Sinai, e ali no mosteiro viviam uma radicalidade, ele deixou os bens materiais e levou os bens espirituais para o Sinai. Ali, com outros irmãos, deixou-se orientar por pessoas com mais experiência, fazendo um caminho pessoal e comunitário de santidade.

Foi atacado diversas vezes por satanás, vivendo um verdadeiro combate espiritual.

São João Clímaco buscou corresponder ao chamado de Deus por meio de duras penitências, pouca alimentação, sacrifícios, intercessões e participação nas Santas Missas.

Perseverou até o fim da vida, partindo para a glória aos 70 anos de idade.

São João Clímaco, rogai por nós!

Evangelho do Dia

Evangelho (Mateus 5, 17-19)
Quarta-Feira, 30 de Março de 2011
3ª Semana da Quaresma

— O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós. — PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus. — Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Não pen­seis que vim abolir a Lei e os Profetas”. Não vim para abolir, mas para dar-lhes pleno cumprimento. Em verdade, eu vos digo: antes que o céu e a terra deixem de existir, nem uma só letra ou vírgula serão tiradas da lei, sem que tudo se cumpra. Portanto, quem desobedecer a um só desses mandamentos, por menor que seja, e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será considerado o menor no Reino dos Céus. Porém, quem os praticar e ensinar será considerado grande no Reino dos Céus.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

segunda-feira, 28 de março de 2011

NOTÍCIAS DA CNBB


Jesus e a samaritana

Artigo de Dom Orani João Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro RIO DE JANEIRO, domingo, - Apresentamos artigo do arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, divulgado nesse sábado à imprensa, intitulado ‘Jesus e a samaritana'.


* * *

Durante estes dias da Quaresma, o nosso itinerário batismal tem neste domingo um sinal claríssimo sobre o sinal da Água e a importância do encontro com Jesus, o Cristo. Neste ano, de maneira especial aparece este sinal, que nos ajuda a caminhar para a renovação das promessas batismais na vigília pascal. Este domingo, chamado da "samaritana", é o terceiro Domingo da Quaresma (cf.Jo 4,5-42). A hostilidade entre judeus e samaritanos conhecemos por outros episódios, como, por exemplo, o caso do chamado "bom samaritano". As relações entre judeus e samaritanos eram de hostilidade constante e a Samaria era considerada território impuro para o ambiente judaico, de modo que não se deveria cruzá-la durante os percursos das viagens. Jesus quis passar pela Samaria como uma necessidade salvífica, teológica, porque nas suas intenções (que são aquelas do Pai), tinha a vontade de que também aquele povo, como todos os outros existentes, entrassem na ordem da salvação, tornando-se destinatário do anúncio do Reino e da vida nova trazida pelo Cristo. A objeção dessa mulher: "Tu que és um judeu pedes de beber a uma mulher samaritana?" dá oportunidade a Jesus para anunciar o amor infinito de Deus, a universalidade da salvação e para comunicar a nova dimensão da vida, que agora está totalmente renovada e foi estabelecida com o Reino para todos os povos e indivíduos, homens e mulheres. Superam-se as barreiras, as restrições e as divisões étnicas e raciais. A água tornou-se a motivação do anúncio. Vemos os vários episódios sobre ela como um símbolo e um "lugar" de salvação e novidade de vida. Recordemos isso como em Meriba, quando o povo de Israel, nômade no deserto, vê a água jorrar da rocha para saciar o povo. Também a vemos no dilúvio, quando a água é destrutiva da raça humana, que deu a oportunidade de Deus mostrar a sua misericórdia para com o homem e o mundo na restauração completa da humanidade. O grande sinal desse tempo no êxodo foi a passagem do Mar Vermelho, quando as águas foram divididas para o povo de Deus passar para o outro lado e depois se fecharam sobre os egípcios. Quando a lança do soldado atingiu o lado de Jesus no alto da cruz, saiu água e sangue: o sinal do Batismo e da Eucaristia. É dessa mesma água de vida eterna que Jesus está falando com a mulher samaritana no poço de Jacó. Ele deixa claro que a água viva é o próprio Cristo, dom do Pai à humanidade, e que acolhendo-O se obtém a salvação e a vida plena, não importa se samaritanos, ou judeus, palestinos, gregos ou outros. Como a água que sacia todos os homens, e todos estão prontos para usá-la quando estão sob o domínio da sede, assim o Cristo sacia toda a humanidade, reconciliando-a com o Pai, para tornar-se referência vital e indispensável. Jesus satisfaz a nossa fome e a nossa sede, e com a sua presença e o seu anúncio podemos ter a certeza de sermos exaltados e postos ao seu lado e perante o mundo. Foi o que saiu anunciando a Samaritana a todos. Dessa água da vida e da salvação, todos nós precisamos! Saciar a sede na fonte, que é Cristo, é cultivar em nós mesmos o equilíbrio, a confiança, a constância de espírito, experimentando a salvação n'Ele. Ao comentar a liturgia do terceiro domingo deste tempo favorável, o Papa Bento XVI ensina que: "O pedido de Jesus à Samaritana - ‘Dá-me de beber' (Jo 4, 7) -, que é proposto na liturgia do terceiro domingo, exprime a paixão de Deus por todos os homens e quer suscitar no nosso coração o desejo do dom da ‘água a jorrar para a vida eterna' (v. 14): é o dom do Espírito Santo, que faz dos cristãos ‘verdadeiros adoradores' capazes de rezar ao Pai ‘em espírito e verdade' (v. 23). Só esta água pode extinguir a nossa sede do bem, da verdade e da beleza! Só esta água, que nos foi doada pelo Filho, irriga os desertos da alma inquieta e insatisfeita, ‘enquanto não repousar em Deus', segundo as célebres palavras de Santo Agostinho". Depois do anúncio da samaritana, todos os que chegaram até Jesus, devido ao seu testemunho, foram unânimes em dizer: nós mesmos vimos e sabemos que Ele é o Cristo! A experiência do cristão, que renasce no batismo e se torna discípulo de Jesus, será ainda maior quando os que ele encontrar pela vida ou que evangelizar disserem a mesma coisa, ou seja, que o testemunho foi o início, mas, agora, amadureceram e se encontraram com o Cristo vivo. Assim, a nossa missão leva as pessoas ao aprofundamento da fé e ao encontro com Jesus, multiplicando os discípulos missionários.

Catequese 2011


Já estão abertas as inscrições da Catequese e da Crisma 2011. Abaixo estamos disponibilizando os horários e locais que acontecerão as preparações. Estamos com dificuldades em conseguir catequistas, por isso ainda não fechamos todos os horários.


CRISMA - (Sexta-feira) Local: CIS - Centro de Inclusão Social
Catequista: Fátima Azevedo e Nenzinha
Hora: 19hs

CRISMA - (Sábado)
Local: Capela de Nossa Senhora do Carmo (Cemitério
Catequista: André Santos
Hora: 16hs

CRISMA - (Quinta-feira ou Sábado)
Local: Capela de Nossa Senhora de Fátima
Catequista: Paulinho
Hora: 19hs

CRISMA - (Ainda sem dia definido)
Local: Capela de Nossa Senhora da Conceição
Catequista: Sandileuza
Hora: A definir

PRIMEIRA EUCARISTIA - (Domingo)
Local: Capela de Nossa Senhora da Fátima
Catequista: Paulinho
Hora: 9hs

PRIMEIRA EUCARISTIA - (Ainda sem dia definido)
Local: Capela de Nossa Senhora da Conceição
Catequista: A definir
Hora: A definir

PRIMEIRA EUCARISTIA - (Sábado)
Local: CIS - Centro de Inclusão Social
Catequistas: Hércules e Monalisa
Hora: 16hs

PRIMEIRA EUCARISTIA - (Ainda sem dia definido)
Local: Capela de Santo Antônio
Catequista: A definir
Hora: A definir

As inscrições estão sendo feitas na secretaria da paróquia ou na capela de seu bairro.

Santo do Dia


São Guntrano
28 de Março.
Guntrano teve muitos descaminhos, muitas opções erradas. Teve muitas mulheres e muitos filhos. Como todo ser humano buscou a felicidade, porém, em lugares errados. Um homem social, político e de grande influência, mas com o coração inquieto e desejoso de algo maior. Deu toda sua herança para um sobrinho e se decidiu a viver uma radicalidade cristã, ou seja, viver o chamado à santidade. Então, Guntrano passou a ouvir a Palavra de Deus e a acolher os conselhos dos bispos. Governou na justiça, a partir dos bons conselhos recebidos. Viveu a renúncia de si mesmo para abraçar a cruz e fazer a vontade de Deus. Faleceu com 68 anos, depois de consumir-se no amor a Deus e aos irmãos, sendo cristão na sociedade.

São Guntrano, rogai por nós!

Evangelho do Dia


Evangelho (Lucas 4, 24-30) Segunda-Feira, 28 de Março de 2011 3ª Semana da Quaresma — O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós. — PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas. — Glória a vós, Senhor.

Jesus, vindo a Nazaré, disse ao povo na sinagoga: “Em verdade eu vos digo que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria. De fato, eu vos digo: no tempo do profeta Elias, quando não choveu durante três anos e seis meses e houve grande fome em toda a região, havia muitas viúvas em Israel. No entanto, a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a uma viúva em Sarepta, na Sidônia. E no tempo do profeta Eliseu, havia muitos leprosos em Israel. Contudo, nenhum deles foi curado, mas sim Naamã, o sírio”. Quando ouviram estas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos. Levantaram-se e o expulsaram da cidade. Levaram-no até o alto do monte sobre o qual a cidade estava construída, com a intenção de lançá-lo no precipício. Jesus, porém, passando pelo meio deles, continuou o seu caminho.


- Palavra da Salvação.

- Glória a vós, Senhor.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Santo do Dia

Santa Catarina da Suécia
24 de Março

Nasceu na Suécia, de família ligada aos reis. Sua mãe era Santa Brígida, que após o falecimento do esposo, se tornou uma peregrina até instalar-se em Roma.

Catarina foi formada na Abadia de Bisberg, permanecendo ali até casar-se. Não demorou muito tempo e seu esposo veio a falecer. Tinha um coração rendido a uma intimidade profunda com Deus, abriu-se a uma consagração total e foi viver junto de sua mãe em Roma, onde permaneceram por 23 anos.

Tornou-se Abadessa em Valdstena, onde permaneceu até sua morte em 1381.

Santa Catarina da Suécia, rogai por nós!

Homilia

E você? Para onde quer ir?

Esta parábola não visa tratar sobre caridade e falta de caridade. Não diz que o rico negava esmolas a Lázaro. Talvez até ignorasse a presença dele em sua casa, fechado como estava em seu bem-estar, fato que não lhe permitia perceber problemas alheios, como, muitas vezes, dizem: “Cada um por si e Deus por todos”.

Jesus quer chamar a atenção não para a necessidade de amarmos ao próximo, mas para a importância das situações. Uma situação de poder e prazeres pode insensibilizar a mente, tornando-a insensível às necessidades dos outros. Pode fechar a porta do céu, tirando a fome da vida eterna, se já se julga satisfeito com seus bens. Ao contrário, uma situação de penúria entretém a fome e a sede de algo maior: a vida eterna.

A riqueza honesta não é má nem condenável, assim como a pobreza não é garantia de salvação. Mas ambas suscitam atitudes éticas que podem facilitar ou dificultar a procura de Deus. É para isso que o Senhor quer despertar os cristãos nessa parábola.

A situação cômoda em que se acham os ricos pode diminuir seu zelo pelas necessidades dos pobres e excluídos da nossa sociedade.

Cristo chama os pobres, os que têm fome, sede e choram, de bem-aventurados, não por causa da pobreza como tal, mas por causa da atitude ética, da fé e do amor ao próximo que essa pobreza preserva ou suscita. E chama os ricos de infelizes (cf. Lc 6,24-26), não por causa da riqueza como tal, mas porque a riqueza pode fazer murchar a fé e o senso da vida futura.

O rico morreu sem fome física nem espiritual: nada mais espera na outra vida, satisfeito que estava em seu bem-estar. Lázaro, que teve fome física e doenças, tinha fome de uma realidade melhor do que a vida terrestre. No além, a fome material e espiritual de Lázaro era saciada, ao passo que a do rico, ela não existia.

Alguém pode ser rico e ter um coração de pobre, cultivando o desapego, a humildade, a caridade; assim como alguém pode ser pobre, mas ter um coração de rico, sem caridade nem humildade. Lázaro, pobre na terra, e Abraão, rico na terra, tiveram a mesma sorte final, porque ambos, em circunstâncias diferentes, tiveram o mesmo amor a Deus e o mesmo desprendimento dos bens terrenos.

A parábola nos lembra que o Céu e o inferno começam no nosso dia a dia. Não nos faltam os fatos, acontecimentos, coisas em cada dia, que são objetos de santificação. A fé descobre neles os sinais de Deus a respeito do sentido desta vida. Nós não vivemos de milagres, mas do dia a dia. É nele que devemos encontrar a vida de santificação. Muitos procuram sinais e milagres e dizem que se Deus se fizesse mais sensível e lhes desse um sinal seriam mais fervorosos.

Isso é pura ilusão, meu irmão, minha irmã! Quem não tem fé nos dons cotidianos de Deus, encontrará razões falsas para não reconhecer os milagres d’Ele. Abraão responde ao rico que quem não tem o hábito da fé viva, rejeitará mesmo os sinais mais significativos. Na verdade, Lázaro, irmão de Marta e Maria, e o próprio Jesus haviam de ressuscitar dentre os mortos e aparecer aos judeus, mas nem assim estes se deixaram convencer.

Abraão diz existir entre o Céu e o inferno um grande abismo. E este indica que é só na vida terrestre que podemos nos converter. O tempo da conversão é hoje e agora. A morte nos estabelece em nossa condição definitiva: ou o Céu para sempre ou o inferno para sempre.

Essa parábola nos leva a concluir que, quando eu e você deixarmos este mundo, receberemos uma sentença. Veja que Lázaro foi levado ao “seio de Abraão” e o rico aos tormentos do inferno. Isso pressupõe uma sentença de Deus logo após a nossa morte. E ela é definitiva, pois o mau não pode passar para o lugar do justo; nem vice-versa. Eu já fiz a minha opção: quero ir para o seio de Abraão! E você? Para onde quer ir?

Padre Bantu Mendonça
Fonte: Blog do Padre Bantu

Evangelho do Dia

Evangelho (Lucas 16, 19-31)
Quinta-Feira, 24 de Março de 2011
2ª Semana da Quaresma

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus aos fariseus: “Havia um homem rico, que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias.
Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico. Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico. E, além disso, vinham os cachorros lamber suas feridas.
Quando o pobre morreu, os anjos levaram-no para junto de Abraão. Morreu também o rico e foi enterrado. Na região dos mortos, no meio dos tormentos, o rico levantou os olhos e viu de longe a Abraão, com Lázaro ao seu lado. Então gritou: ‘Pai Abraão, tem piedade de mim! Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a língua, porque sofro muito nestas chamas’.
Mas Abraão respondeu: ‘Filho, lembra-te de que recebeste teus bens durante a vida e Lázaro, por sua vez, os males. Agora, porém, ele encontra aqui consolo e tu és atormentado. E, além disso, há grande abismo entre nós: por mais que alguém desejasse, não poderia passar daqui para junto de vós, e nem os daí poderiam atravessar até nós’.
O rico insistiu: ‘Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa do meu pai, porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não venham também eles para este lugar de tormento’. Mas Abraão respondeu: ‘Eles têm Moisés e os profetas, que os escutem!’
O rico insistiu: ‘Não, Pai Abraão, mas se um dos mortos for até eles, certamente vão se converter’. Mas Abraão lhe disse: ‘Se não escutam a Moisés, nem aos Profetas, eles não acreditarão, mesmo que alguém ressuscite dos mortos”’.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Homilia

Humildade, nosso ‘passaporte’ para o Céu

Jesus anuncia a Sua morte como consequência de toda a Sua vida. Enquanto isso, Tiago e João sonham com poder e honrarias, suscitando discórdia e competição entre os outros discípulos, Cristo mostra que a única coisa importante para o discípulo é seguir o exemplo d’Ele: servir e não ser servido. Na nova sociedade que Jesus projeta, a autoridade não é exercício de poder, mas a qualificação para serviço, que se exprime na entrega de si mesmo para os outros e o bem comum.

Apesar do testemunho de Jesus Cristo, os discípulos estavam atrelados aos esquemas mundanos, mostrando-se pouco sensíveis aos ensinamentos do Mestre. O pedido dos filhos de Zebedeu foi uma prova disso.

Fazendo ouvido de mercador, quando Jesus revelou Seu destino de sofrimento e morte, estavam preocupados em garantir para si os melhores lugares no Reino a ser instaurado. Bem se vê que estavam longe de estar sintonizados com o Reino anunciado por Cristo, pois imaginavam um reino no qual os chefes se tornam tiranos e os grandes se tornam opressores, por estarem revestidos de autoridade.

No Reino almejado por Jesus Nazareno, a grandeza consiste em pôr-se a serviço do semelhante, de maneira despretensiosa, e o primeiro lugar será ocupado por quem se dispusera a assumir a condição de servo. A tirania cede lugar ao serviço, e a opressão transforma-se em amor eficaz em benefício do próximo. Bastava contemplar o modo de proceder do Mestre Jesus, que se autodenomina “Filho do Homem”. Jamais buscara ser servido, como se a Sua condição de enviado do Pai lhe desse este direito; tampouco teve a arrogância de se considerar superior a quem quer que seja. Manteve sempre a postura de servo, consciente da missão recebida do Pai, a ponto de entregar a própria vida para que toda a humanidade obtivesse salvação. Dera o exemplo no qual os discípulos deveriam inspirar-se.

Para Jesus, a autoridade e o primeiro lugar no Reino estão intimamente associados à capacidade de servir: “O maior de vocês deve ser aquele que serve” (Mt 23,11). Esta atitude fundamental do discípulo e da discípula configurará o quadro de carismas e ministérios, com a responsabilidade de atuar no mundo para transformar as realidades à luz da Palavra de Deus. Daí, algumas intuições que podem contribuir para compreender e assumir a missão da Igreja na ótica do serviço à organização e libertação de todo o povo de Deus.

Assim, eu e você somente respondemos fielmente à nossa vocação de servir, quando nos tornamos mulheres e homens em profunda sintonia e comunhão com o Deus da Vida, sem esquecer nem deixar à margem, na luta de cada dia, os pobres e excluídos (cf. At 6,1), que precisam e, por isso, devem ser servidos. Quantas vezes nos aproximamos de Jesus, e, sem discernimento, pedimos coisas que não têm sentido? Quantas coisas desnecessárias, e que julgamos ser essenciais, pedimos quando oramos? Por isso que, a todo instante, se faz necessário pedir auxílio ao Espírito Santo, para que Ele nos ensine a rezar. Até mesmo para orar necessitamos do auxílio e da misericórdia do Pai. Outro ponto forte desta passagem bíblica é o ensinamento de humildade que Jesus vem nos trazer.

Hoje, infelizmente, o mundo nos ensina que devemos sempre estar à frente, ser os melhores, ter o melhor emprego, receber o mais alto salário, enfim, devemos ter, ter e ter… Em meio a isso, devemos agir de forma contrária. Jesus nos chama a sermos os menores, a não contarmos vantagem do que temos ou de quem somos, porém, devemos agir de forma humilde, sempre procurando mais servir do que ser servido, amar mais do que ser amado, perdoar mais do que ser perdoado. Peçamos que o Senhor nos dê um coração manso e humilde. Que no dia de hoje passemos a valorizar as coisas do alto e não as coisas terrenas. Nossa meta é o céu. Fomos feitos para ser cidadãos do céu e o “passaporte” para lá é o amor e a humildade, por isso, humildemente e dobrados, devemos servir aos nossos irmãos e irmãs. Quem ama serve. E quem serve se faz pequeno diante dos homens e se torna grande diante do Senhor.

Que nosso coração possa se abrir mais e mais para amar a Deus no próximo. Jesus, manso e humilde de coração, fazei o meu coração semelhante ao Vosso! Pai, transforma-me em servidor de meus semelhantes, fazendo-me sempre pronto a doar minha vida para que o Teu amor chegue até eles.

Padre Bantu Mendonça

Evangelho do Dia

Evangelho (Mateus 20, 17-28)
Quarta-Feira, 23 de Março de 2011
2ª Semana da Quaresma

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 17enquanto Jesus subia para Jerusalém, ele tomou os doze discípulos à parte e, durante a caminhada, disse-lhes: 18“Eis que estamos subindo para Jerusalém, e o Filho do Homem será entregue aos sumos sacerdotes e aos mestres da Lei. Eles o condenarão à morte, 19e o entregarão aos pagãos para zombarem dele, para flagelá-lo e crucificá-lo. Mas no terceiro dia ressuscitará”.
20A mãe dos filhos de Zebedeu aproximou-se de Jesus com seus filhos e ajoelhou-se com a intenção de fazer um pedido. 21Jesus perguntou: “Que queres?” Ela respondeu: “Manda que estes meus dois filhos se sentem, no teu Reino, um à tua direita e outro à tua esquerda”. 22Jesus, então, respondeu-lhes: “Não sabeis o que estais pedindo. Por acaso podeis beber o cálice que eu vou beber?” Eles responderam: “Podemos”. 23Então Jesus lhes disse: “De fato, vós bebereis do meu cálice, mas não depende de mim conceder o lugar à minha direita ou à minha esquerda. Meu Pai é quem dará esses lugares àqueles para os quais ele os preparou”.
24Quando os outros dez discípulos ouviram isso, ficaram irritados contra os dois irmãos. 25Jesus, porém, chamou-os, e disse: “Vós sabeis que os chefes das nações têm poder sobre elas e os grandes as oprimem. 26Entre vós não deverá ser assim. Quem quiser tornar-se grande, torne-se vosso servidor; 27quem quiser ser o primeiro, seja vosso servo. 28Pois, o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate em favor de muitos”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

terça-feira, 22 de março de 2011

CF 2011

Dom Dimas Lara Barbosa
Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro - RJ

Mudanças climáticas e aquecimento global. Essas são as duas colunas que sustentam o debate sobre a "vida no planeta", proposto pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) às comunidades católicas e à sociedade brasileira, por meio da Campanha da Fraternidade, que começa hoje, na Quarta-Feira de Cinzas.

Sob esse prisma, todos são convidados a estender seu olhar sobre o planeta Terra e contemplar, para além de sua riqueza e de sua beleza, as ameaças que pairam sobre a vida nele existente sob as mais variadas formas, bem como as causas e os responsáveis pelo iminente risco de sua destruição.

Ao apresentar esse tema, a Igreja tem consciência da complexidade que o envolve e que, por isso mesmo, sob vários aspectos ainda exige aprofundamentos e debates.

Um fato, no entanto, é incontestável: seja por causas naturais, seja por ação humana, o planeta Terra sofre profundas alterações e vê, como consequência, recair sobre si ameaças nunca antes imagináveis.

É fundamental que todos tomem consciência disso e de sua própria responsabilidade em defesa da vida, em suas variadas manifestações, e da criação como um todo.

O desenvolvimento a todo custo está, certamente, por trás de muitas ações fatais para o ecossistema.

A Igreja não se opõe ao desenvolvimento, desde que respeite a natureza e possibilite a inclusão social também para os pobres e excluídos.

Já o papa Bento 16, ao falar na 5ª Conferência Geral dos Bispos da América Latina e Caribe, reunidos em Aparecida, em 2007, lembrava que a subordinação da preservação da natureza ao desenvolvimento econômico provoca "danos à biodiversidade, com esgotamento das reservas de água e de outros recursos naturais, com a contaminação do ar e a mudança climática".

Nesse sentido, como não nos impressionar, por exemplo, com as estatísticas que apontam o desmatamento e as queimadas como causa de 50% das emissões de gases de efeito estufa no Brasil?

Nesse processo agressivo, os pobres são os mais vulneráveis. Por não terem outras opções de retirar da terra o próprio sustento, acabam se transferindo em massa para os grandes centros urbanos.

As hidrelétricas, especialmente as que estão previstas para a Amazônia, também devem fazer parte de nossas reflexões e preocupações. A necessidade de energia não pode justificar projetos que ignoram o meio ambiente, desalojam povos inteiros, matam culturas.

Aqui, vale o alerta do texto-base da Campanha: "A Amazônia, tão valiosa para o país e para a humanidade, parece ser vista como um vazio demográfico e improdutivo que, ao menos, deve produzir energia, mesmo a despeito do alto custo para sua biodiversidade".

Se quisermos salvar nosso planeta, precisamos nos lembrar de que "a sustentabilidade passa necessariamente por uma mudança de hábitos nos padrões de consumo, especialmente dos que gastam em demasia". Isso requer uma conversão do coração, apelo permanente da Quaresma, tempo em que é vivida de maneira mais forte a Campanha da Fraternidade.

Envoltos pela espiritualidade quaresmal, somos convidados a voltar o olhar para o ato criador. Ao contemplar sua obra, Deus viu que tudo "era muito bom" (cf. Gn 1,31) e confiou a nós, seus filhos e filhas, o cuidado de todas as criaturas.

A Campanha da Fraternidade deste ano vem para nos lembrar desse dom e tarefa e nos alerta: "Nossa mãe Terra, Senhor, geme de dor noite e dia. Será de parto essa dor ou simplesmente agonia? Vai depender só de nós!".

Artigo publicado no dia 09 de março na Folha de São Paulo

NOTÍCIAS DO VATICANO

Papa: é necessário ajudar famílias em dificuldade

Na consagração ao culto da paróquia de San Corbiniano all’Infernetto

ROMA, - "Dar a conhecer o rosto de Deus, ajudar as famílias em dificuldade": esta é a indicação dada por Bento XVI aos fiéis da paróquia de São Corbiniano, em um bairro ao sul de Roma e não muito longe de Ostia, consagrada ao culto nesse domingo.

Ao chegar à paróquia do ‘Infernetto' - assim chamada porque antigamente se fazia carvão nesse lugar -, o Papa foi recebido pelo vigário de Roma, cardeal Agostino Vallini, e por Dom Paolo Schiavon, bispo auxiliar do Setor Sul da diocese de Roma.

Em um breve discurso de saudação, o pároco de São Corbiniano, Antonio Magnotta, de 40 anos, disse: "Nós queremos ser, neste bairro, um sinal luminoso de laços cordiais e serenos, para tornar crível a honra inestimável de anunciar o Evangelho".

"Como pároco - acrescentou -, quero colocar em suas mãos as crianças e os jovens, tantos neste bairro, que são o coração e a medida desta paróquia. Quero colocar em suas mãos as famílias, em particular os pais: são eles que nos ajudam a lembrar do urso de São Corbiniano que, seguindo-o humildemente, suportou o jugo do caminho."

A figura de São Corbiniano é muito querida pelo Papa. O santo chegou, de fato, em 724, de Arpajon, perto de Paris, à antiga Bavária para anunciar o Evangelho, foi fundador e primeiro bispo da diocese de Freising e, portanto, antecessor do Pontífice alemão, que, de 1977 a 1982, desempenhou o cargo de arcebispo de Munique e Freising.

Além disso, no escudo pontifício de Bento XVI aparece a imagem do "urso de Corbiniano", que se refere a uma lenda relacionada com a segunda viagem do bispo a Roma, na qual um urso atacou e devorou ​​seu burro. Diz-se que, irritado pelo contratempo, o santo ordenou que o urso levasse a Roma a sua bagagem, antes de libertá-lo, uma vez chegado ao seu destino.

Em sua homilia, o Papa começou fazendo referência ao relato da Transfiguração, narrado no Evangelho do 2º domingo da Quaresma, explicando que "a vontade de Deus se revela plenamente na pessoa de Jesus. Quem quer viver segundo a vontade de Deus deve seguir Jesus, escutá-lo, acolher suas palavras e, com a ajuda do Espírito Santo, aprofundar nelas".

Depois, dirigindo-se aos fiéis, acrescentou: "Este é o primeiro convite que eu quero vos fazer, queridos amigos, com grande carinho: crescei no conhecimento e no amor de Cristo, seja como indivíduos, seja como comunidade paroquial; encontrai-o na Eucaristia, na escuta da sua Palavra, na oração, na caridade".

"A missão de cada comunidade cristã - continuou ele - é levar a todos a mensagem do amor de Deus, dar a conhecer a todos o seu rosto." Para isso, incentivou-os a "construir, cada vez mais, essa Igreja de pedras vivas, que sois vós", e a "fazer de vossa nova igreja o lugar no qual se aprende a ouvir a Palavra de Deus, a ‘escola' permanente de vida cristã, da qual parte toda atividade desta paróquia jovem e comprometida".

Em seguida, dirigiu a sua palavra às famílias, especialmente àquelas que estão "em dificuldade ou se encontram em estado de precariedade ou irregularidade". "Não as deixeis sozinhas, mas estai perto delas com amor, ajudando-as a compreender o autêntico desígnio de Deus para o casal e a família."

Finalmente, o Santo Padre se dirigiu aos jovens: "A Igreja espera muito do vosso entusiasmo, da vossa capacidade de olhar para frente e do vosso desejo de radicalidade nas decisões vitais".

MISSA COM ORAÇÃO DE CURA E LIBERTAÇÃO

MISSA COM ORAÇÃO DE CURA E LIBERTAÇÃO

Na última quarta-feira do mês de março (30/03), teremos a volta da Missa com Oração de Cura e Libertação. A missa é organizada pelos membros da RCC - Renovação Carismática Católica de nossa paróquia e será presidida pelo Padre Francisco das Chagas Neto.

A santa missa acontecerá às 19hs, dia 30/03 na Igreja Matriz de São Sebastião. Como sempre é esperado um bom número de fiéis para a celebração, tendo em vista que é uma das missas mais aguardadas do mês pelos paroquianos.

Então fica o nosso convite, venham a missa, tragam as suas famílias, convidem os amigos, vamos dedicar um pouco de nosso tempo a Deus.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Participe da Coleta da Solidariedade 2011

Um dos gestos concretos propostos pela CF é a Coleta da Solidariedade, que deverá ser feita em todas as dioceses do país no dia 17 de abril. Do total arrecadado, as dioceses destinam 40% para o Fundo Nacional de Solidariedade (FNS). Os outros 60% ficam nas dioceses, formando o Fundo Diocesano de Solidariedade (FDS), para o atendimento a projetos locais. Os recursos arrecadados na Coleta da Solidariedade são destinados prioritariamente a projetos que atendam os objetivos propostos pela CF-2011.

Coleta da Solidariedade
17 de abril

Trinta jovens da Diocese participarão da Jornada Mundial da Juventude 2011 em Madri

Segundo dados mais recentes dos organizadores da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), o número de inscritos para a próxima edição do evento que acontece este ano em Madri, Espanha, já chegou a 290 mil. Como o encontro será realizado apenas em agosto (18 e 21), a organização espera que as inscrições ultrapassem, e bem, este número, chegando a cerca de 1,5 milhão de pessoas.
A JMJ levará à capital espanhola jovens de todos os lugares do mundo, transformando drasticamente a rotina da cidade. Por isso, o encontro ganhou por parte do presidente espanhol José Luis Zapatero, status de "evento extraordinário". Para atender à legião de pessoas que migrará à cidade no meio deste ano, foram disponibilizados prédios públicos, meios de transporte, salas de imprensa e redução fiscal.
Outro motivo para tamanha mobilização governamental pode ser explicado porque o evento contará com a presença do Papa Bento XVI, que, durante sua passagem por solo espanhol, se encontrará com mais de 1,5 mil jovens docentes universitários.

Fonte: Blog da Diocese de Mossoró

Santo do Dia

São Nicolau de Flue
21 de Março

Comemoramos a vida santa de um eremita, São Nicolau de Flue, que nasceu na Suíça em 1417 e passou sua juventude ajudando o pai em trabalhos práticos, sempre inclinado à vida religiosa.

A pedido do pai, casou-se com Doroteia que muito o levou para Deus, tanto que juntos educaram os dez filhos para a busca da santidade. Aconteceu que, em comum acordo e, com os filhos já educados, Nicolau retirou-se na solidão, perto de sua casa, porém, com o propósito de se dedicar exclusivamente a Deus, ele que era um homem popular devido a diversos cargos públicos e administrativos que ocupara na sociedade.

São Nicolau entregou-se totalmente à vida de oração, penitência e jejuns, sem deixar de participar nas Santas Missas de domingo e dias santos, além de ter assumido uma tábua como cama; por travesseiro uma pedra e de primeiro frutas e ervas como alimento, isto até chegar a se alimentar somente da Eucaristia. Todo este processo estendeu-se progressivamente por 33 anos.

Nicolau, que morreu com setenta anos, ao ir para o eremitério com 37 anos, em nada se alienou ao mundo. Pôde ele servir com conselhos e interferir pacificamente nas dificuldades entre católicos e protestantes, a ponto de ser amado e tomado como modelo de pacificador e pai da pátria.

São Nicolau de Flue, rogai por nós!

Homilia

O rosto resplandecente do Ressuscitado

Estamos no tempo quaresmal. Tempo de luta com o mal, as tentações, tristezas, angústias. Gememos juntamente com o nosso planeta qual mulher entre dores do parto, conforme a Campanha da Fraternidade deste ano. A radical transformação do mundo atual para o pecado, o crime, a droga, o homossexualismo, o divórcio, o desmatamento, ou seja a agressão ao meio ambiente e tantos outros males, parece ter deixado na sombra o sentido da vida, porque se tornou incapaz de escutar “a voz do silêncio suave” (1Rs 19,12), que ressoa das profundezas da história.

Por isso, surge também a dificuldade radical de enxergar qualquer outra dimensão da realidade que esteja acima ou por dentro da experiência humana. Não é mais capaz de ler os sinais da presença de Deus na nossa vida, dando a impressão de que a realidade seja algo inconsistente e sem valor, e que, no fim das contas, a história humana não passa de uma tremenda ilusão. No entanto, olhando mais em profundidade, a experiência da tristeza e da angústia e a agitação da vida moderna, tão repleta de conflitos, exprimem uma exigência de sentido e um desejo de serenidade e de paz.

Nesta ótica Jesus, no Evangelho de hoje, nos revela exatamente esta dimensão e pode ser um autêntico sinal de esperança também para o nosso tempo. É possível dar volta a tudo o que nos aflige e agride a natureza. Não se trata simplesmente de um “olhar” diferente do jeito comum de considerar as coisas, mas está em jogo uma “visão penetrante” de algo que pode mudar radicalmente a vida e o seu sentido.

Fazendo um recuo no tempo, Mateus busca as manifestações divinas do Antigo Testamento e nos apresenta uma cena repleta de luz: o rosto de Jesus resplandece como o sol, suas vestes são brancas como a luz, a nuvem também é luminosa. Os discípulos, diante de tão intensa luminosidade, caem com o rosto no chão, assustados, e necessitam do “toque e da palavra” de Jesus para se levantarem e superarem o susto. Contudo, após esta experiência que mostrou a identidade de Jesus, os discípulos, “levantando seus olhos não viram ninguém a não ser ele, Jesus só”. Na realidade, é este “Jesus só” que está a caminho de Jerusalém, que eles devem encarar escutar e seguir.

A visão luminosa da Transfiguração é reforçada também pelos personagens que entraram em cena: quando Moisés desceu do monte Sinai “seu rosto resplandecia” (Ex 34,29s); Elias foi arrebatado ao céu num “turbilhão de fogo” (2Rs 2,11; Sir 48,1-11). Mateus mostra que Jesus é o evento central no seu Evangelho, que tudo recria: o homem e a natureza, a partir da luminosidade que vem do Sinai, porque a missão que Jesus assumiu no batismo se concretiza agora ao longo do caminho da cruz, deixando vislumbrar a meta final: a glória do Filho de Deus.

Trata-se de um momento decisivo muito forte: o rosto luminoso de Jesus revela a sua verdadeira identidade aos discípulos para que, depois da Ressurreição, possam entender que o rosto resplandecente do Ressuscitado é o mesmo do Jesus Crucificado. Com efeito, somente à luz da Páscoa eles entendem quem é realmente Jesus e o sentido de sua morte violenta. Assim como o sol é a fonte da luz e “faz ver” as coisas como elas são, a luz da Transfiguração de Jesus “faz ver” a sua identidade messiânica: revela a divindade em sua humanidade. Aqui os discípulos ouvem a voz de Deus chamando Jesus de “Filho”, e, durante a paixão, ouvem Jesus chamando a Deus de “Pai” (26,39). Neste monte, a humanidade de Jesus deixa transparecer a sua divindade e, no Getsêmani, a divindade assume plenamente a sua humanidade.

O grande convite do Pai: “Escutai-o”, assim determina a missão dos discípulos: devem ser testemunhas da Ressurreição de Jesus, enfrentando o mesmo caminho do Filho, que, passando pela cruz, leva à gloria dos filhos de Deus. A partir desse momento, o Evangelho não é só Palavra a ser ouvida, mas também caminho a ser percorrido, pois o “seguimento” de Jesus, assumido de forma autêntica e vivido até as últimas consequências, mostra uma outra visão da realidade. “O que os olhos não viram e os ouvidos não ouviram” (1Cor 2,9), nem Moisés (Ex 33,20), nem Elias (1Rs 19,13) viram, mas aos discípulos é concedido ver “face a face” o rosto de Deus, que resplandece em Jesus de Nazaré.

Pai, que a Transfiguração leve-me a confessar Jesus como teu Filho amado, e a reconhecer que sou chamado a expressar o esplendor divino que trago dentro de mim.

Padre Bantu Mendonça

Evangelho do Dia

Evangelho (Lucas 6, 36-38)
Segunda-Feira, 21 de Março de 2011
2ª Semana da Quaresma

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso. Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados. Dai e vos será dado. Uma boa medida, calcada, sacudida, transbordante será colocada no vosso colo; porque com a mesma medida com que medirdes os outros, vós também sereis medidos”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

terça-feira, 15 de março de 2011

Santo do Dia

São Clemente Maria Hofbauer
15 de Março

Dentro de uma família muitos simples, nasceu na Áustria, no ano de 1751.

Perdeu muito cedo seu pai, e foi educado por sua piedosa mãe que dizia a ele: “Procurai andar sempre nos caminhos agradáveis a Deus”.

Vocacionado ao sacerdócio, com muito esforço estudou Filosofia e Teologia. Após ordenado padre redentorista, foi para a Alemanha.

Ali, seu objetivo religioso não era somente servir sua congregação, mas a toda a Igreja local, a ponto de ajudar sua diocese a se redescobrir como pólo evangelizador.

São Clemente contribuiu para o aparecimento de muitos conventos e asilos, sinais materiais da força do Evangelho. Consumido na missão, aos 70 anos, partiu para sua recompensa: a glória de Deus.

São Clemente Maria Hofbauer, rogai por nós!

Evangelho do Dia

Evangelho (Mateus 6, 7-15)
Terça-Feira, 15 de Março de 2011
1ª Semana da Quaresma

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
“Quando orardes, não useis muitas palavras, como fazem os pagãos. Eles pensam que serão ouvidos por força das muitas palavras.
Não sejais como eles, pois vosso Pai sabe do que precisais, muito antes que vós o peçais. Vós deveis rezar assim: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como nos céus. O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. Perdoa as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido. E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal.
De fato, se vós perdoardes aos homens as faltas que eles cometeram, vosso Pai que está nos céus também vos perdoará. Mas, se vós não perdoardes aos homens, vosso Pai também não perdoará as faltas que vós cometestes”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Jornada Mundial da Juventude em Madri...


A Setor de Juventude da nossa diocese vem com muita alegria e entusiasmo se preparando para a Jornada Mundial da Juventude, que acontecerá em Madri - Espanha, nos dias 15 a 22 de agosto.
Com o tema " Enraizados e fundados em Cristo, firmes na fé ( Col 2,7)", jovens do mundo inteiro esperam anciosos para se encontrarem com o Santo Padre e com jovens de diferentes raças, povos , nações, línguas, culturas, costumes, mas revestidos da mesma fé e de um só coração.

Hoje será realizado no Seminário Santa Teresinha um encontro com todos estes jovens que serão os representantes da nossa diocese nesta grande celebração da juventude Católica do mundo inteiro, das 8 as 10hs.

Além dos representantes de cada paróquia, também participam conosco outros jovens que também são comprometidos com a evangelização da juventude e que também querem vivencia este momento celebrativo.
Todos os Jovens são convidado a viverem conosco esta experiência.
Fonte: Blog da Diocese de Mossoró
***************************************
O representante da Paróquia de São Sebastião de Caraúbas é o jovem Ministro da Eucarístia e coordenador do Grupo de Jovens de nossa paróquia Júlio César.
Em breve traremos mais informações sobre a Jornada Mundial da Juventude em Madri - Espanha.

Quaresma

A Igreja Católica e os seus fiéis começarão a vivenciar o Tempo da Quaresma a partir desta quarta-feira de cinzas, dia 9 de março, até a missa da Ceia do Senhor, em 24 de abril.

História

A palavra Quaresma vem do latim quadragésima e é utilizada para designar o período de quarenta dias que antecedem a festa ápice do cristianismo: a ressurreição de Jesus Cristo, comemorada no famoso Domingo de Páscoa. Esta prática data desde o século IV.
Na quaresma, que começa na quarta-feira de cinzas, dia 09, até a missa da Ceia do Senhor, em 24 de abril O período é reservado para a reflexão, a conversão espiritual. Ou seja, o católico deve se aproximar de Deus visando o crescimento espiritual. Os fiéis são convidados a fazerem uma comparação entre suas vidas e a mensagem cristã expressa nos Evangelhos. Esta comparação significa um recomeço, um renascimento para as questões espirituais e de crescimento pessoal. O cristão deve intensificar a prática dos princípios essenciais de sua fé com o objetivo de ser uma pessoa melhor e proporcionar o bem para os demais.
Essencialmente, o período é um retiro espiritual voltado à reflexão, onde os cristãos se recolhem em oração e penitência para preparar o espírito para a acolhida do Cristo Vivo, Ressuscitado no Domingo de Páscoa. Assim, retomando questões espirituais, simbolicamente o cristão está renascendo, como Cristo. Todas as religiões têm períodos voltados à reflexão, eles fazem parte da disciplina religiosa. Cada doutrina religiosa tem seu calendário específico para seguir. A cor litúrgica deste tempo é o roxo, que significa luto e penitência.
Cerca de duzentos anos após o nascimento de Cristo, os cristãos começaram a preparar a festa da Páscoa com três dias de oração, meditação e jejum. Por volta do ano 350 d. C., a Igreja aumentou o tempo de preparação para quarenta dias. Assim surgiu a Quaresma

Fonte: Blog da Diocese de Mossoró

CF 2011


Catequese 2011

AVISO IMPORTANTE
Informamos que já estão abertas as inscrições de 1ª Comunhão e Crisma 2011. Os pais que interessarem em colocar os seus filhos procurem a secretaria da paróquia para maiores informações.

Santo do Dia

Santa Matilde
14 de Março

Santa Matilde foi educada numa nobre família junto a um mosteiro beneditino. Cresceu e casou-se com Henrique I, rei da Alemanha, mas manteve sua nobreza interior, não deixando influenciar-se pelo poder. Teve cinco filhos, e sempre como mãe humilde e orante, buscou ensinar aos filhos os caminhos da salvação eterna.

Matilde também foi mãe para o povo, para os pobres. Mulher cheia de compaixão que dentro das possibilidades ajudou e influenciou a muitos.

Com o falecimento de Henrique I, essa grande mulher de Deus disse aos filhos: "Gravai bem no vosso coração o temor de Deus. Ele é o Rei e Senhor verdadeiro, que dá poder e dignidade perecíveis. Feliz aquele que prepara sua eterna salvação".

Com a morte do marido, o seu calvário começou: foi traída pelos filhos, sob a falsa acusação de que estaria desperdiçando os bens com os pobres. Retirou-se para um convento e ali intercedeu pelos seus amados filhos, através da oração e sacrifícios.

Seus filhos então, tomaram consciência da injustiça que estavam cometendo. Com a conversão deles, teve mais facilidade para ajudar a muitos outros pobres. Em 968 partiu para o Reino dos céus, o Reino dos santos.

Santa Matilde, rogai por nós!

Evangelho do Dia

Evangelho (Mateus 25, 31-46)
Segunda-Feira, 14 de Março de 2011
1ª Semana da Quaresma

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Quando o Filho do Homem vier em sua glória, acompanhado de todos os anjos, então se assentará em seu trono glorioso. Todos os povos da terra serão reunidos diante dele, e ele separará uns dos outros, assim como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. E colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda. Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: ‘Vinde benditos de meu Pai! Recebei como herança o Reino que meu Pai vos preparou desde a criação do mundo! Pois eu estava com fome e me destes de comer; eu estava com sede e me destes de beber; eu era estrangeiro e me rece­bestes em casa; eu estava nu e me vestistes; eu estava doente e cuidastes de mim; eu estava na prisão e fostes me visitar’. Então os justos lhe perguntarão: ‘Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? Com sede e te demos de beber? Quando foi que te vimos como estrangeiro e te recebemos em casa, e sem roupa e te vestimos? Quando foi que te vimos doente ou preso, e fomos te visitar?’ Então o Rei lhes responderá: ‘Em verdade eu vos digo, que todas as vezes que fizestes isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizestes!’ Depois o Rei dirá aos que estiverem à sua esquerda: ‘Afastai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno, preparado para o diabo e para os seus anjos. Pois eu estava com fome e não me destes de comer; eu estava com sede e não me destes de beber; eu era estrangeiro e não me recebestes em casa; eu estava nu e não me vestistes; eu estava doente e na prisão e não fostes me visitar’. E responderão também eles: ‘Senhor, quando foi que te vimos com fome, ou com sede, como estrangeiro, ou nu, doente ou preso, e não te servimos?’ Então o Rei lhes responderá: ‘Em verdade eu vos digo, todas as vezes que não fizestes isso a um desses pequeninos, foi a mim que não o fizestes!’ Portanto, estes irão para o castigo eterno, enquanto os justos irão para a vida eterna”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Santo do Dia

Santo Eulógio
11 de Março

Nascido em Córdova, Espanha, no século VIII, descobriu seu chamado ao sacerdócio e fez um ótimo caminho formativo, também nas áreas da ciência, aprofundando-se nas ciências teológicas.

Era um homem de muito estudo, oração e amor.

A Espanha foi afetada por invasões e o príncipe perseguia cruelmente a Igreja, prendendo e matando a muitos cristãos.

São Eulógio deixou muitos escritos, com testemunhos de mártires e santos, assim como obras apologéticas e a 'Exortação ao martírio', que escreveu na prisão.

Ele foi decapitado no dia 11 de março de 859, recebendo a coroa da vida imortal.

Santo Eulógio, rogai por nós!

Homilia

O verdadeiro jejum

“Vocês acham que os convidados de um casamento podem estar tristes enquanto o noivo está com eles? Claro que não! Mas chegará o tempo em que o noivo será tirado do meio deles; então, sim, eles vão jejuar”! Com estas palavras Jesus não aboliu nem o jejum nem a oração.

Simplesmente Ele quis dizer aos discípulos de João Batista e a todos aqueles que ainda estavam presos ao passado que jejum é feito em casos específicos, quando queremos servir melhor a Deus, quando estamos passando por tribulações, perseguições, doenças e calamidades, nos arrependimentos de pecados nossos e do povo e nas conversões em massa.

Aliás, jejum, oração e boas obras são mencionados frequentemente tanto pelos judeus como pelos cristãos. Oração não fica à frente do jejum e das boas obras, independente deles, mas como algo que os liga interiormente. O mais completo entendimento da oração é particularmente oferecido em conexão com o jejum. Quando nós olhamos o que é dito sobre a oração, e como ela é definida, nós podemos ver que a ênfase é naturalmente mais no estado do coração e alma que no corpo, como possível expressão da oração em geral.

Segundo São João Damasceno: “Oração é a subida da mente e do coração de alguém a Deus ou o pedido das boas coisas de Deus”.

Primariamente, nela a conversa com Deus como atividade espiritual é enfatizada. Todavia, há também a prática e a experiência de que não apenas pensamentos, conversas e atos espirituais por si só estão inclusos na oração, mas também o corpo. A oração torna-se mais completa por meio do corpo e do movimento, que acompanham as palavras ditas nesse momento [de oração]. O corpo e seu movimento tornam a oração mais completa e expressiva para que ela possa mais facilmente envolver a pessoa inteira.

A unificação do corpo e da alma na oração é particularmente manifestada no jejuar e na oração. O jejum físico torna a oração mais completa. Uma pessoa que jejua reza melhor e uma pessoa que reza, jejua mais facilmente. Desta forma, a oração não permanece somente como uma expressão ou palavras, mas cobre o ser humano inteiro. O jejum físico é uma admissão para Deus diante dos homens que alguém não pode fazer sozinho e necessita de ajuda. Uma pessoa experimenta sua impotência mais facilmente quando ela jejua, e por isso, por meio do jejum físico, a alma está mais aberta a Deus. Sem jejum, nossas palavras na oração permanecem sem uma fundação verdadeira. No Antigo Testamento, os crentes jejuavam e rezavam individualmente, em grupos e em várias situações da vida. Por causa disso, eles sempre experimentavam a ajuda de Deus Pai. Jesus confere uma força especial ao jejum e à oração, especialmente na batalha contra os espíritos do mal.

O jejum é um tipo de penitência no qual abrimos mão de algo que nos agrada e oferecemos esse “sacrifício” por alguma boa intenção. E aqui entra um detalhe: só Deus precisa saber que estamos jejuando! Você não precisa sair por aí se gabando de jejuar ou se mostrando abatido por praticá-lo. Pelo contrário, o verdadeiro jejum é feito de modo escondido, para que somente o nosso Deus, que vê o que está escondido, tome conhecimento.

No Evangelho de hoje, Jesus justificou que os Seus discípulos não estavam em jejum porque Ele próprio estava presente, e isso era motivo de festa! E festa não combina com jejum! Chegaria o dia em que Ele não estaria mais com eles. E aí sim, eles jejuariam. Querendo, pois, fazer uma caminhada de penitência, vamos praticá-lo [jejum]. Hoje é o dia, esta é a hora da prática do jejum. Abrindo mão de certos prazeres, ou até oferecendo as nossas dores e sofrimentos a Deus, a fim de que Ele amenize o sofrimento nosso ou de outras pessoas.

Pai, desejo preparar-me bem para celebrar a Páscoa, tempo de reencontro com o Ressuscitado. Que o jejum me predisponha, do melhor modo possível, para este momento.

Padre Bantu Mendonça

Evangelho do Dia

Evangelho (Mateus 9, 14-15)
Sexta-Feira, 11 de Março de 2011
Sexta-feira depois das Cinzas

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, os discípulos de João aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Por que razão nós e os fariseus praticamos jejuns, mas os teus discípulos não?” Disse-lhes Jesus: “Por acaso, os amigos do noivo podem estar de luto enquanto o noivo está com eles? Dias virão em que o noivo será tirado do meio deles. Então, sim, eles jejuarão”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

Festa de São José 2011

Ontem tivemos a abertura de uma das festas mais tradicionais de nossa paróquia. Trata-se da Festa de São José da comunidade de Miranda. A festa de São José em Miranda vai de 10 a 20 de Março e conta com uma vasta programação religiosa (Novenas, Leilão, etc...). A abertura da festa contou com a presença de nosso pároco Padre Francisco das Chagas.

************************************************
Ontem também acontece na Comunidade de Mariana II a abertura da Festa de São José. Este ano com o tema "São José, homem justo que acolhe e vive a palavra de Deus", o festejo acontece de 10 a 20 de Março. A abertura da festa foi feita por Graça Batista da Cumunidade de Mariana I e contou com uma boa participação de fiéis.

Formação para os Casais Paroquianos

Queremos convidar todos os Casais Paroquianos para a 1ª Formação do ano de 2011, esta formação será Domingo, 13/03, às 9h30min no Santuário do Sagrado Coração de Jesus. A formação terá como tema "Quaresma" e será proferida pelo Padre Francisco das Chagas.

Esperamos contar com uma boa quantidade de casais paroquianos.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Santo do Dia

Quarenta mártires de Sebaste
10 de Março

No ano de 320 esses homens deram testemunho no martírio. Em 313 os imperadores Constantino e Licínio, assinaram o Edito de Milão, que dava liberdade às religiões, para a manifestação pública. Passado um tempo, Licínio começou a perseguir a Igreja de Cristo, prejudicando padres, bispos e famílias.

Nesse contexto, estavam quarenta homens, oficiais e soldados cristãos, que serviam ao Império. Licínio retomou uma lei onde para servir o Império era preciso sacrificar aos deuses. Muitos, inclusive estes quarenta homens, não aceitaram.

Deixaram por escrito suas despedidas, pediram orações aos bispos e diáconos, e que seus corpos fossem colocados todos juntos. Por não renunciarem a Jesus, foram colocados em um tanque gelado de um dia para o outro, para depois serem queimados.

Um deles buscou a pia de água temperada, separada para aqueles que quisessem apostatar, mas faleceu ali mesmo, com o choque térmico.

Os outros perseveraram por amor a Jesus.

Quarenta mártires de Sebaste, rogai por nós!

Homilia

Sê assíduo à oração e à meditação

Quaresma: tempo de penitência, de conversão, de jejum, oração e da Salvação. É o tempo de mudança de vida, do kairós na minha vida e na sua vida. O texto de hoje nos ajuda a fazer uma reflexão, uma introspecção. Estamos diante de um Evangelho que determina o nosso ser cristão. É, diria eu, o termômetro da nossa própria fé católica. E não poderia existir passagem melhor do que a do Evangelho de hoje.

A prática da justiça, no sentido religioso, significava a busca de justificação diante de Deus. As mais consagradas eram: a esmola, a oração e o jejum. Por esta prática o piedoso judeu julgava-se justo diante de Deus. Com atitude ostensiva, os líderes religiosos do templo e das sinagogas afirmavam seu prestígio e poder.

A penitência, muitas vezes vista como uma prática de sofrimento, na verdade tem o caráter modificador, que nos transforma que nos faz perceber que podemos viver sem certas coisas do mundo. Que mais forte é Deus que nos dá o suficiente para viver. Compreendemos que os sacrifícios feitos deverão, portanto, ser fonte de crescimento, de amadurecimento espiritual e não motivo de promoção pessoal. E por isso, não devem ser expostos ao mundo, pois é interioridade, é intimidade com Deus.

Isto vale para todos os nossos atos religiosos ou aparentemente humanitários. Não podem ser forma de se vangloriar de sua bondade, mas de promover sua espiritualidade e também o bem de outras pessoas.

Sê assíduo à oração e à meditação. Disseste-me que já tinhas começado. Isso é um enorme consolo para um Pai que te ama como Ele te ama! Continua, pois, a progredir nesse exercício de amor a Deus. Dá todos os dias um passo: de noite, à suave luz da lamparina, entre as fraquezas e na secura de espírito; ou de dia, na alegria e na luminosidade que deslumbra a alma.

Se conseguires, fala ao Senhor na oração, louva-o. Se não conseguires, por não teres ainda progredido o suficiente na vida espiritual, não te preocupes: fecha-te no teu quarto e põe-te na presença de Deus. Ele ver-te-á e apreciará a tua presença e o teu silêncio. Depois, pegar-te-á na mão, falará contigo, dará contigo cem passos pelas veredas do jardim que é a oração, onde encontrarás consolo. Permanecer na presença de Deus com o simples fito de manifestar a nossa vontade de nos reconhecermos como seus servidores é um excelente exercício espiritual, que nos faz progredir no caminho da perfeição.

Quando estiveres unido a Deus pela oração, examina quem és verdadeiramente; fala com Ele, se conseguires; se te for impossível, detém-te, permanece diante dele. Em nada mais te empenhes como nisso.

Não se trata de conceber a oração interior, livre de todas as formas tradicionais, como uma piedade simplesmente subjectiva, e de opô-la à liturgia, que seria a oração objectiva da Igreja; através de toda a verdadeira oração, alguma coisa se passa na Igreja e é a própria Igreja quem reza, porque é o Espírito Santo que vive nela que, em cada alma única, “intercede por nós com gemidos inefáveis” (Rom 8, 26). E essa é, justamente, a verdadeira oração, porque “ninguém pode dizer ‘Jesus é o Senhor’ senão por influência do Espírito Santo” (1Cor 12, 3). O que seria a oração da Igreja se não fosse a oferenda daqueles que, ardendo com grande amor, se entregam ao Deus que é amor?

O dom de si a Deus, por amor e sem limites, e o dom divino que se recebe em troca, a união plena e constante, é a mais alta elevação do coração que nos é acessível, o mais alto grau da oração. As almas que o atingiram são, na verdade, o coração da Igreja; nelas vive o amor de Jesus, Sumo-Sacerdote. Escondidas com Cristo em Deus (Col 3, 3), não podem deixar de fazer irradiar para outros corações o amor divino de que estão cheias, concorrendo assim para o cumprimento da unidade perfeita de todos em Deus, como era e continua a ser o grande desejo de Jesus.

Jesus nos mostra neste texto ao falar da oração, jejum e caridade de forma consciente o momento e o ato mais importante da nossa íntima união com Ele. E nos faz saber que estes atos devem ser livres e desimpedidos, desinteressados de reconhecimento. A partir do momento em que vivemos estas três lições de Cristo oração, jejum e penitência, em nossas vidas, tudo em nós será um eterno aleluia. Jesus terá verdadeiramente ressuscitado em nós.

Espírito de piedade, do temor de Deus, ensina-me o modo de agir que realmente agrade ao Pai, para que este tempo da Quaresma seja o tempo de graça, de renovação e reavivamento da minha vida e família para que mereça celebrar a Páscoa da eternidade c a recompensa divina no dia final.

Padre Bantu Mendonça

Evangelho do Dia

Evangelho (Lucas 9, 22-25)
Quinta-Feira, 10 de Março de 2011
Quinta-feira depois das Cinzas

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
“O Filho do Homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da Lei, deve ser morto e ressuscitar no terceiro dia”.
Depois Jesus disse a todos: “Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia, e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, vai perdê-la; e quem perder a sua vida por causa de mim, esse a salvará.
Com efeito, de que adianta a um homem ganhar o mundo inteiro, se se perde e se destrói a si mesmo?”

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

sexta-feira, 4 de março de 2011

Missa de Aniversário da Cidade

Em contato agora a pouco com Vivênio Jácome, da Prefeitura Municipal de Caraúba/RN, fomos informados que Padre Gerônimo aceitou o convite para celebrar a Missa em Ação de Graças pelo aniversári da cidade.

Padre Francisco irá se ausentar da cidade amanhã para atender jovens em confissão no Retiro de Serrinha dos Pintos/RN e Padre Gerônimo celebrará a missa.

A missa acontecerá amanhã, 05/03, às 7 horas da manhã, na Igreja Matriz de São Sebastião.

Santo do Dia

São Casimiro
4 de Março

Mesmo sendo patrono da juventude da Lituânia, o santo de hoje é modelo para todas as idades. Seu nome significa 'comandar'. De fato, com a graça de Deus e muito esforço, foi comandando ao longo de sua vida, todo o pensar, todo falar, todo o querer para Deus.

Filho do rei da Polônia e de família católica, Casemiro nasceu no ano de 1454. Com a ajuda da oração, da penitência, da direção espiritual e até do Papa do seu tempo, ele pôde discernir que seu chamado não era suceder ao seu pai. Renunciou ao trono, mas não deixou de ser solidário à realidade paterna, às necessidades do reino, sendo braço direito no governo de seu pai.

Teve toda uma vida de ascese e sacrifício, sendo modelo para a juventude.

Faleceu com apenas 26 anos.

São Casimiro, rogai por nós!

Homilia

Nosso corpo, templo de Deus

No Evangelho de hoje, Cristo toma uma atitude surpreendente. Pois o Jesus que conhecemos anteriormente é Aquele que sempre se mostrou manso e humilde de coração, paciente e misericordioso com os pecadores. Hoje, porém, assume uma atitude que parece impulsiva e levada pela paixão do momento. No entanto, se observarmos com mais cuidado, veremos que não foi assim. Embora sendo o mais resumido de todos, o evangelista Marcos relata um pormenor que não aparece em nenhum dos outros três Evangelhos. O pormenor é este: “Chegou a Jerusalém e entrou no templo. Depois de ter examinado tudo em seu redor, como a hora já ia adiantada, saiu para Betânia com os Doze” (Mc 11,11) Ou seja, Nosso Senhor entrou no templo, viu a confusão que lá estava, mas não agiu no mesmo dia. Foi para Betânia, com os discípulos e passou lá a noite. Só no dia seguinte fez a purificação do local [templo], com um chicote de cordas feito por Ele.

Isso quer dizer que não foi uma atitude de impulso descontrolado, mas algo que provavelmente tenha sido objeto de Sua oração durante a noite, de Sua conversa com o Pai, por prezar pelo zelo de Sua casa.

Quando interrogado sobre a autoridade com que fazia aquilo e qual sinal dava de que poderia proceder assim, Jesus disse: “Destruí este templo, e em três dias Eu o levantarei!” Replicaram então os judeus: “Quarenta e seis anos levou este templo a construir, e Tu vais levantá-lo em três dias?” Ele, porém, falava do templo, que é o Seu Corpo (cf. Jo 2,19-21). Nosso Senhor estabelece, assim, uma analogia entre o Seu Corpo e o templo. São Paulo dirá também que esse Corpo de Cristo somos nós os batizados: “[…] assim acontece conosco: os muitos que somos formamos um só corpo em Cristo, mas, individualmente, somos membros que pertencem uns aos outros” (Rm 12,5). E ainda: “Não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, porque o recebestes de Deus, e que vós já não vos pertenceis? Fostes comprados por um alto preço! Glorificai, pois, a Deus no vosso corpo” (1 Cor 6,19).

Mas a que corpo Jesus faz alusão hoje? É o meu e o seu, caro amigo. Cristo, reclamando pelos maus-tratos a que submetemos o nosso corpo, manchando-o e o profanando com os vícios do alcoolismo, da droga, da prostituição, adultério, fornicação, do homossexualismo, da bruxaria, feitiçaria, da criminalidade, das brigas e desavenças familiares pega no chicote e quer expulsar de nós tudo isso. Ele não quer que nos tornemos um covil de ladrões. Porque sendo nós batizados em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, somos o Seu templo. E por isso, Jesus Cristo tem todo o direito de purificá-lo [esse templo], ou dito de outro modo: temos o direto de que Ele nos purifique.

Pai, ensina-me a viver a religião pura e agradável a Ti. Cheio de fé e disposto a perdoar e a viver reconciliado, que eu possa rejeitar tudo o que desvirtua a verdadeira religião para que me deixe purificar pela Tua Palavra e jamais me deixe levar pelos vícios e atrativos do mundo que profanam o meu corpo, templo do Vosso Filho Jesus, meu Salvador. Amém!

Padre Bantu Mendonça

Evangelho do Dia

Evangelho (Marcos 11, 11-26)
Sexta-Feira, 4 de Março de 2011
8ª Semana Comum

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!

Tendo sido aclamado pela multidão, Jesus entrou, no Templo, em Jerusalém, e observou tudo. Mas, como já era tarde, saiu para Betânia com os doze. No dia seguinte, quando saíam de Betânia, Jesus teve fome. De longe, ele viu uma figueira coberta de folhas e foi até lá ver se encontrava algum fruto. Quando chegou perto, encontrou somente folhas, pois não era tempo de figos. Então Jesus disse à figueira: “Que ninguém mais coma de teus frutos”. E os discípulos escutaram o que ele disse. Chegaram a Jerusalém. Jesus entrou no Templo e começou a expulsar os que vendiam e os que compravam no Templo. Derrubou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos vendedores de pombas. Ele não deixava ninguém carregar nada através do Templo. E ensinava o povo, dizendo: “Não está escrito: ‘Minha casa será chamada casa de oração para todos os povos’? No entanto, vós fizestes dela uma toca de ladrões’. Os sumos sacerdotes e os mestres da Lei ouviram isso e começaram a procurar uma maneira de o matar. Mas tinham medo de Jesus, porque a multidão estava maravilhada com o ensinamento dele. Ao entardecer, Jesus e os discípulos saíram da. cidade. Na manhã seguinte, quando passavam, Jesus e os discípulos viram que a figueira tinha secado até a raiz. Pedro lembrou-se e disse a Jesus: “Olha, Mestre: a figueira que amaldiçoaste secou”. Jesus lhes disse: “Tende fé em Deus. Em verdade vos digo, se alguém disser a esta montanha: ‘Levanta-te e atira-te no mar’, e não duvidar no seu coração, mas acreditar que isso vai acontecer, assim acontecerá. Por isso vos digo, tudo o que pedirdes na oração, acreditai que já o recebestes, e assim será. Quando estiverdes rezando, perdoai tudo o que tiverdes contra alguém, 26para que vosso Pai que está nos céus também perdoe os vossos pecados”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

quinta-feira, 3 de março de 2011

RETIRO DE CARNAVAL - PARÓQUIA DE SÃO SEBASTIÃO - CARAÚBAS/RN

Faça a sua inscrição...

Coordenadores:
João do Posto e Lié
Didi e Edilma
Canindé Costa e Emanuela
Alexandre e Marlene


Local:
O retiro acontecerá na cidade de Martins. Os participantes ficarão hospedados em um colégio no bairro Lagoa Nova

Inscrições:
Quem se interessar pode procurar os coordenadores do retiro ou a secretaria da paróquia para fazer a sua inscrição.

Valor da Inscrição:
A inscrição custará R$ 80,00 para o casal e R$ 50,00 individual.

Saída:
A saída para a cidade de Martins está programada para o dia 05/03, às 14h30min, saindo da Igreja Matriz de São Sebastião de Caraúbas.

Faça a sua inscrição na Secretaria da paróquia ou com os coordenadores.

IMPORTANTE

Sábado, 05 de Março não teremos a Santa Missa das 10 horas na Igreja Matriz.

Homilia

Seguir a Cristo é um aprendizado

Com a paixão de Jesus ao longo do caminho, podemos compreender e dar razão à nossa fé na pessoa e na missão de Jesus de Nazaré. A paixão de Cristo está presente nas paixões de tantas pessoas que vivem nas comunidades, nas pastorais e nos movimentos sociais que testemunham radicalmente o projeto libertador d’Ele. Assim, os anúncios da paixão se tornam o cerne, o núcleo da fé cristã na perspectiva da ressurreição. É a ressurreição a força motivadora para os discípulos superarem as contradições, as dificuldades e os desafios da caminhada.

É no caminho de Cesareia de Filipe (cf. 10, 27 a) para Jerusalém (cf. 10,32) que Jesus ensinará os discípulos sobre as implicações de Seu projeto. Ele mostrará como devemos segui-Lo diante dos conflitos, crises e desafios. A pedagogia do Senhor será um processo de contínua partilha e ensinamentos no caminho. Para isso, Ele precisou ficar sozinho com os discípulos a fim de catequizá-los. É no caminho que a catequese, a formação d’Ele ocorrerá. Será uma longa catequese sobre o “seguimento”.

A comunidade de Marcos é marcada por uma experiência de conflitos e crises. Diante disso, ela constrói a imagem de Jesus. Por isso que, em Mc 8, 27-30, Cristo, no auge da crise, quis avaliar a caminhada da sua comunidade fazendo uma pergunta simples e direta: “Quem dizem os homens que eu sou?”.

Estão subindo para Jerusalém e, embora já saibam qual seria o destino de Jesus, acontece o anúncio: “O Filho do Homem vai ser entregue aos chefes dos sacerdotes e aos doutores da Lei. Eles condenarão à morte e o entregarão aos pagãos. Vão caçoar dele, cuspir nele, vão torturá-lo e matá-lo. E depois de três dias ele ressuscitará” (cf. 10,33-34). Esse último anúncio mostrará claramente que o seguimento de Jesus não tem privilégios como pensavam os discípulos, porque a caminhada é marcada não só de glória. Passa pela coragem de deixar tudo para suportar a opção de vida que levará ao longo do caminho. O caminho de Jesus Nazareno será marcado pela rejeição, pela perseguição, luta e sofrimento. Essas são as condições para se chegar à glória.

E para, definitivamente, mostrar que para segui-Lo é preciso, muitas vezes, ser curado da surdez e da cegueira, estas estavam presentes durante todo o caminho. Por isso era difícil que os discípulos compreendessem a mensagem do Senhor Jesus a respeito da Sua Paixão como condição de segui-Lo.

Portanto, os três anúncios da Paixão de Jesus Cristo se encerram com a cura do cego de Jericó (cf. 10,46-52). O cego curado se põe a “seguir a Jesus pelo caminho”, o que não fizera o cego de Betsaida, no capítulo 8, nem o homem rico. Bartimeu é apresentado, assim, como modelo do discípulo. Jesus cura e ilumina Deus discípulos, tornando-os capazes de segui-Lo.

Pai, a exemplo de Nosso Senhor Jesus Cristo, transforma-me em servidor de meus semelhantes, e não me deixes ter medo de colocar minha vida a serviço de quem precisa de mim.

Padre Bantu Mendonça

Evangelho do Dia

Evangelho (Marcos 10, 46-52)
Quinta-Feira, 3 de Março de 2011
8ª Semana Comum

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, Jesus saiu de Jericó, junto com seus discípulos e unia grande multidão. O filho de Timeu, Bartimeu, cego e mendigo, estava sentado à beira do caminho. Quando ouviu dizer que Jesus, o Nazareno, estava passando, começou a gritar: “Jesus, filho de Davi. tem piedade de mim!” Muitos o repreendiam para que se calasse. Mas ele gritava mais ainda: “Filho de Davi, tem piedade de mim!” Então Jesus parou e disse: “Chamai-o”. Eles o chamaram e disseram: “Coragem, levanta-te, Jesus te chama!” O cego jogou o manto, deu um pulo e foi até Jesus. Então Jesus lhe perguntou: “Que queres que eu te faça?” O cego respondeu: “Mestre, que eu veja!” Jesus disse: “Vai, a tua fé te curou”. No mesmo instante, ele recuperou a vista e seguia Jesus pelo caminho.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

quarta-feira, 2 de março de 2011

Evangelho do Dia

Evangelho (Marcos 10, 32-45)
Quarta-Feira, 2 de Março de 2011
8ª Semana Comum

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, os discípulos estavam a caminho, subindo para Jerusalém. Jesus ia na frente. Os discípulos estavam espantados, e aqueles que iam atrás estavam com medo. Jesus chamou de novo os Doze à parte e começou a dizer-lhes o que estava para acontecer com ele: “Eis que estamos subindo para Jerusalém, e o Filho do Homem vai ser entregue aos sumos sacerdotes e aos doutores da Lei. Eles o condenarão à morte e o entregarão aos pagãos. Vão zombar dele, cuspir nele, vão torturá-lo e matá-lo. E depois de três dias ele ressuscitará”. Tiago e João, filhos de Zebedeu, foram a Jesus e lhe disseram: “Mestre. queremos que faças por nós o que vamos pedir”. Ele perguntou: “Que quereis que eu vos faça?” Eles responderam: “Deixa-nos sentar um à tua direita e outro à tua esquerda, quando estiveres na tua glória!” Jesus então lhes disse: ‘Vos não sabeis o que pedis. Por acaso podeis beber o cálice que eu vou beber? Podeis ser batizados com o batismo com que vou ser batizado?” Eles responderam: “Podemos”. E ele lhes disse: “Vós bebereis o cálice que eu devo beber e sereis batizados com o batismo com que eu devo ser batizado. Mas não depende de mim conceder o lugar à minha direita ou à minha esquerda. É para aqueles a quem foi reservado”. Quando os outros dez discípulos ouviram isso, indignaram-se com Tiago e João, Jesus os chamou e disse: “Vós sabeis que os chefes das nações as oprimem e os grandes as tiranizam. Mas, entre vós, não deve ser assim: quem quiser ser grande seja vosso servo; e quem quiser ser o primeiro seja o escravo de todos. Porque o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate para muitos”.

- Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.